O Passo a passo para ser santo

19.04.2018 | Artigos

PASSO A PASSO PARA SER SANTO

 

Levítico 19:1-2

Disse ainda o Senhor a Moisés:
“Diga o seguinte a toda comunidade de Israel: Sejam santos porque eu, o Senhor, o Deus de vocês, sou santo.

 

  A concepção de ficar santo, ou santo-ficar, possui sua origem no Antigo Testamento e tem relação direta com a convivência com Deus, com o aprendizado de seus mandamentos e a sua prática. Parte do desenvolvimento dessa ideia está registrado no capítulo 19 do livro de Levítico. Ele faz parte daquilo que se chamou de Código de Santidade.

Muitas pessoas confundem o conceito de santidade, como se ele fosse uma espécie de estado angelical, de pureza, de ausência de pecado, ou ainda algum tipo de moral perfeita determinada pelo cumprimento ou não de uma série de costumes estabelecidos por um grupo. Basta prestarmos atenção àquilo que o texto aponta para entendermos que santidade tem a ver com o cumprimento dos mandamentos de Deus, mais do que isso, ela tem direta relação com o conceito de justiça, sua prática e promoção entre o povo de Deus nas relações humanas e sociais.

 

Vamos ver de maneira resumida, alguns versículos desse capítulo, ressaltando as indicações mais importantes para a argumentação sobre o conceito de santidade:

 

ALGUNS EXEMPLOS NO  ANTIGO TESTAMENTO

− Respeite a sua mãe e o seu pai;

− Não furtem;

− Não mintam;

− Não enganem uns aos outros;

− Não jurem falsamente pelo meu nome;

− Não oprimam nem roubem o seu próximo;

– Não cometam injustiça num julgamento;

− Não espalhem calúnias no meio do seu povo;

− Não se levantem contra a vida do seu próximo;

− Não guardem ódio contra o seu irmão no coração; antes repreendam com franqueza o seu próximo para que, por causa dele, não sofram as consequências de um pecado;

− Não procurem vingança nem guardem rancor contra alguém do seu povo, mas ame cada um o seu próximo como a si mesmo;

− Não usem medidas desonestas quando medirem comprimento, peso ou quantidade. Usem balanças de pesos honestos, tanto para cereais quanto para líquidos;

O que vemos, portanto, no texto de Levítico 19, de maneira muito clara e explícita, muito mais do que uma concentração em aspectos religiosos, é a descrição de uma vida cotidiana que resulta na expressão do amor ao próximo.

 

Já no Novo Testamento, o processo de santificação, ganha um colorido diferente nas palavras do apóstolo Paulo.

Paulo constrói a ideia de uma disputa que se passa no interior do ser humano apresentando um processo dialético de influência do Espírito de Deus sobre aqueles que se convertem ao Evangelho. Ele diz: “o próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Romanos 8:16). Essa afirmação é parte de uma argumentação sobre o tipo de vida que manifestamos ao nascermos de novo e passarmos a ser direcionados pelo Espírito. A pessoa que é alcançada, encontrada, resgatada ou reconciliada com Deus passa a se relacionar com ele por meio da presença do seu Espírito e sua influência.

 

A nova vida no Espírito e esse processo de permanecer sensível à sua condução é o que podemos, então, denominar de santificação.

A santificação não é uma ação vertical e sim horizontal.

O que se entende nas Escrituras é que a santificação, sendo iniciada com o novo nascimento, demanda um crescimento pessoal, com a transformação da personalidade e do caráter, tendo como modelo a pessoa de Cristo:

Note a semelhança entre esses princípios com o que vimos em  Levítico 19.

ALGUNS EXEMPLOS NOVO TESTAMENTO

  • Vendo as multidões, Jesus subiu ao monte e se assentou. Seus discípulos aproximaram-se dele, e ele começou a ensiná-los, dizendo:

− Bem-aventurados os pobres em espírito, os humildes, os que têm fome e sede de justiça, os misericordiosos, os puros de coração, os pacificadores, os perseguidos por causa da justiça,

− Vocês são o sal da terra. Vocês são a luz do mundo. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus.

− Qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento.

− Se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu

irmão; depois volte e apresente sua oferta.

− Entre em acordo depressa com seu adversário que pretende levá-lo ao tribunal. Não julguem, para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês.

− Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão e não se dá conta da viga que está em seu próprio olho?

− Toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins.

− Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.

– Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento e AME O SEU PRÓXIMO COMO A SI MESMO.

 

A santificação pode ser entendida como o processo de alcance de um patamar na vida humana que reflita o caráter de justiça e amor de Deus em nossos relacionamentos. A atribuição de responsabilidade na promoção desse alvo, visto a partir do ser humano, pode ser interpretado como um esforço constante em cumprir os mandamentos divinos, controlando desejos e vontades individuais em prol do bem-estar da coletividade.

Sabedores da dificuldade que enfrentamos em conseguir deixar em segundo plano nossa tendência egocêntrica destrutiva e darmos vazão a uma atitude de compromisso com a obediência aos mandamentos divinos, nos deparamos com a carência de um auxílio do próprio Deus em nos conduzir por esse caminho. Pensando assim, podemos observar esse auxílio ou influência divina.

DF

Deixe seu comentário:

Por Donato Farinelli